Mafra

Água que abastece Mafra tem resquícios de agrotóxicos, diz levantamento do MP

 

Durante março a outubro de 2018, um estudo inédito do Ministério Público de Santa Catarina investigou a presença de agrotóxicos no abastecimento público de água de 100 cidades de Santa Catarina. Cerca de 22 municípios  apresentaram resquícios de substâncias, algumas até mesmo proibidas em outros lugares do mundo, por causarem danos à saúde.

 

Mafra foi uma das cidades citadas pelo levantamento. Durante a análise da água, foram encontradas cinco substâncias como atrazina (banida em 2004 da União Europeia), metolacloro (2002) e simazina (2004). Itaiópolis também aparece na lista com resquícios de atrazina.

 

– Continua após a publicidade –

 

A análise foi encomendada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a coleta faz parte de um programa do Centro de Apoio ao Consumidor da Promotoria, da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (Aris) e da Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc).

 

O objetivo do MP agora é estender o estudo para todas as cidades do Estado e encaminhar o levantamento para as promotorias dos municípios que apresentaram problemas, para que se reúnam com outros órgãos e identifiquem por que a água tem chegado contaminada ao consumidor.

 

Casan

A Casan, responsável pelo abastecimento de água no município, divulgou nota nesta sexta-feira (22), sobre o caso. Leia aqui.

 

VER PRIMEIRO

Agora, que tal seguir o nosso Instagram, Twitter ou curtir a nossa página no Facebook? Para que você possa continuar acompanhando os melhores posts sobre Rio Negro e Mafra, diariamente, em suas redes sociais.