O óbvio precisa mesmo ser dito?

Não é raro nos questionarmos sobre aquilo que almejamos expressar para o outro, em contraponto com o que este irá pensar.

 

Na edição desta primeira semana de outubro, falaremos sobre a necessidade de expor o lado verdadeiro – e óbvio – de determinados fatos para as pessoas.

 

Noto a urgência em tratar sobre o assunto, pois não é raro nos questionarmos sobre aquilo que almejamos expressar para o outro, em contraponto com o que este irá pensar.

 

Normalmente, com pessoas mais próximas de nós e de nossa realidade, temos o hábito de guardar muitas opiniões sobre o que esse outro alguém está vivendo, e por isso deixamos de sair de cima do muro.

 

Isso acontece por “n” motivos, como medo de ofender, de criar uma discussão sem sentido (até então) ou de simplesmente não querer se envolver no âmbito pessoal/íntimo deste terceiro.

 

Contudo, enquanto amigos, filhos, mães, pais e irmãos, precisamos constantemente avaliar até que ponto podemos nos calar e fazer com que as coisas contornem o nosso campo de visão.

 

Todos que conhecemos passam por dificuldades que sequer temos noção, mas quando este lhe pede uma segunda opinião, uma crítica (desde que construtiva e empática), não há problema em se manifestar e apontar para aquilo que muitas vezes é tão claro quanto o céu em dia de sol.

 

Precisamos nos desvencilhar da velha crença de que expor pontos negativos e muitas vezes desconfortáveis, enfraquecerá nossas amizades ou a boa relação que temos com entes queridos. Isso porque, se lhe amam, irão respeitar seu ponto de vista, assim como tomar medidas para melhorar o que não está cem por cento adequado.

 

Se libertem de estereótipos como apego, medo, desconfiança e a falta de coragem, e sejam honestos com aqueles que amam. Uma verdade bem dita vale muito mais do que pequenas mentiras contadas dia após dia. Um abraço e fiquem em paz!

 

Para mais textos, me acompanhem pelo Instagram @hannicess.

error: O conteúdo é de exclusividade do Riomafra Mix.