Um diálogo sobre perdão e aceitação

A maioria das pessoas não consegue entender que tudo o que expressamos para o mundo, reflete no outro algum sentimento. Sendo ele bom ou ruim, as emoções estarão ali presentes e permanecerão por um bom tempo.

 

Se você é um daqueles que vive pedindo “desculpa”, “sinto muito”, “me perdoe” da boca para fora, a minha sugestão é que pare. Falar para alguém que se arrependeu por uma discussão, pela forma afrontosa com que se manifestou, não significa que realmente sentiu muito. Se identificou? Pois é!

 

A maioria das pessoas não consegue entender que tudo o que expressamos para o mundo, reflete no outro algum sentimento. Sendo ele bom ou ruim, ainda assim, as emoções estarão ali presentes e permanecerão por um bom tempo.

 

Quando contornamos o viés negativo, como tendo uma questão mal resolvida com alguém por exemplo, e tempos depois este age como se nada tivesse acontecido, simboliza que não deu nenhuma atenção para o que você sentiu ou que apenas quer colocar panos quentes para não aumentar o drama.

 

Depois de alguns poucos anos de experiência, chego à conclusão de que infelizmente isso acontece muito mais do que deveria. Ninguém está habituado a pôr os problemas na mesa e sentar para ter uma conversa franca “colocando os pingos nos ‘is’”.

 

E aí acontece o de sempre: um problema se põe acima do outro, as palavras se afogam depois de anos sem serem ditas, a angústia se acumula dentro do peito, e você fica ressentido por não resolver algo que ao tempo do fato, não era tão difícil assim.

 

Tudo o que é demais pesa, desequilibra e afoga. Tudo o que você guarda dentro de si gera tristeza, depressão, e mal-estar. Mesmo que pense estar tudo bem por um tempo, nunca vai estar, porque aquele pontinho fora da curva terá você como alvo – e vice-versa.

 

Falar sobre perdão é algo que vai além desse simples texto. Todos passamos ao longo da vida por situações que nos testam, seja com o objetivo de aprendermos a resolver as questões ou simplesmente aceitar e deixar de lado.

 

E sim, ter a consciência de que não é tudo que depende de nós para entrar nos trilhos, reconforta e nos permite apenas compreender que se o outro não quer aclarar as coisas, está tudo bem também.

 

Amigos, tirem algum momento do seu dia para centrar seus pensamentos e sentir se existe algo a ser posto na mesa e resolvido. Se depender da sua iniciativa vai em frente sem medo, pois isso no futuro lhe trará uma paz insubstituível. Caso contrário, apenas exerça o poder da aceitação e acredite que o tempo também é responsável por trazer as soluções em nossa porta. Fiquem todos em paz, um abraço!

 

Para mais textos, me acompanhe pelo Instagram @hannicess.

error: O conteúdo é de exclusividade do Riomafra Mix.