Decisão do STF abre caminho para SC comprar vacina da Pfizer

Um ofício foi encaminhado pelo secretário de Saúde, André Motta Ribeiro, ao governador Carlos Moisés para a compra dos imunizantes da Pfizer.

Mais uma remessa com 59,5 mil vacinas chegou ao estado. Foto: Maurício Vieira/Secom

 

Continua após a Publicidade

A decisão do STF em autorizar estados e municípios a comprar e fornecer à população vacina contra a covid-19 abriu caminho para que Santa Catarina siga nesta direção. A medida, porém, tem ressalvas.

 

A autorização vale apenas em caso de descumprimento do Plano Nacional de Vacinação pelo governo federal ou de insuficiência de doses previstas para imunizar a população.

 

Apoie nosso jornalismo. Assine o Riomafra Mix, clicando aqui.

 

Nesta quarta-feira (24), em audiência pública realizada na Alesc, o secretário adjunto da Saúde, Alexandre Fagundes, disse que Santa Catarina vai respeitar o cronograma do Ministério da Saúde. Mas informou que um ofício já foi encaminhado pelo secretário da pasta, André Motta Ribeiro, ao governador Carlos Moisés para que se faça estudos para a compra dos imunizantes da Pfizer. Moisés já avisou que o estado tem R$ 300 milhões para este gasto.

 

Até o momento, o estado recebeu um total de 357.640 doses, em cinco remessas. Nesta quarta, desembarcaram em Florianópolis 59,5 mil doses da Oxford-AstraZeneca. Outras 40 mil devem chegar até o final de semana e mais uma remessa de 1 milhão é prevista para março. Muito pouco ainda para um estado com 7 milhões de habitantes – e lembrando que são duas doses por pessoa.

 

A pressão na Alesc é grande. O deputado Neodir Saretta, presidente da comissão de saúde, reclamou: “O estado que tome a frente, vá atrás, já que o Ministério da Saúde está demorando na negociação com os laboratórios para de fato imunizar toda a população”.

 

O líder da bancada do MDB, deputado Valdir Cobalchini reforçou: “Esse é o assunto mais importante, nada é mais importante. A Secretaria da Saúde precisa adiantar procedimentos para compras de vacinas”, disse o parlamentar, para quem o atual momento da pandemia é extremamente grave, “até para os negacionistas”. Os catarinenses têm pressa.

 

Dário Berger

O senador Dário Berger (MDB) foi eleito o novo presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado. É a primeira vez que um catarinense comandará este colegiado. “Junto com o governo federal e com as entidades representativas do setor, vou priorizar o diálogo na busca por soluções para os problemas históricos que nosso estado enfrenta”, garantiu Dário. A comissão se reúne nesta quinta (25), para aprovar emendas ao Orçamento Geral. A expectativa é que sejam aportados recursos para acelerar as obras nas rodovias federais em andamento no estado.

 

SCGÁS

Levando Gás Natural para 65 cidades catarinenses e para quase 17 mil clientes diretos entre indústrias, residências, comércios e postos, além dos quase 110 mil veículos movidos a GNV e emplacados no Estado, a SCGÁS completa 27 anos nesta quinta-feira (25). Fundada em 1994, a empresa tem 1.260 quilômetros de rede implantada e projeta crescer mais de 40% – o número de clientes atendidos avançará 120% até 2025. Com os investimentos, a distribuidora pretende chegar a 15 novas cidades, auxiliando no desenvolvimento econômico de Santa Catarina. O atendimento será ampliado no mercado de varejo, especialmente nos espaços urbanos de grande concentração residencial e condomínios verticais.

 

CREA

O presidente do CREA-SC, Carlos Alberto Kita Xavier participou das cerimônias de posse dos colegiados de inspetores de Araranguá e Criciúma. Ele também cumpriu agenda com o prefeito de Balneário Arroio Silva, Evandro Scaini; com a reitora da UNESC, Prof. Dra. Luciane Ceretta; com a reitoria da SATC e com o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro. Na pauta, a criação da universidade corporativa, fiscalização no estado, as parcerias com os órgãos públicos e o fortalecimento e valorização da categoria.

 

Mecenato

Está em vigor o decreto que cria a Lei do Mecenato em Santa Catarina. Com a medida, empresas catarinenses poderão doar parte do ICMS para projetos aprovados pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC). Contudo, ainda falta regulamentar a lei. Por isso o deputado Coronel Mocellin (PSL) pretende cobrar do governo essa regulamentação. Essa semana o deputado recebeu o cineasta Fábio Cabral, que aguarda para avançar no projeto “Rastros  de Bravura”, uma minissérie que irá contar os atos de bravura reais que ocorreram com bombeiros no Estado.

error: O conteúdo é de exclusividade do Riomafra Mix.