Prematuridade: entenda as causas e os cuidados necessários

Estão em maior risco para o trabalho de parto prematuro mulheres que já passaram por um parto prematuro ou com história de problemas de colo de útero ou uterinos.

 

Continua após a Publicidade

O mês de novembro é marcado pelo Dia Mundial da Prematuridade, data que chama a atenção para este problema de extrema significância e que atinge mais de 15 milhões de bebês em todo o mundo.

 

Graças ao avanço tecnológico e ao conhecimento na área da medicina, muitos bebês que antigamente nasciam antes do tempo e morriam, hoje estão sobrevivendo. Mesmo com um desenvolvimento dentro do esperado, as crianças prematuras necessitam de um olhar mais atento.

 

Segundo a pediatra Michelli Kalil, o bebê prematuro é aquele que nasce antes de completar 37 semanas de idade gestacional. Há também os prematuros chamados de pré-termos tardios, nascidos entre 34 semanas e 36 semanas e 6 dias, e os pré-termo extremos, nascidos com idade gestacional inferior a 28 semanas.

 

De acordo com a acadêmica de medicina, Luiza Zanotti, vários fatores podem levar a essa prematuridade, como:

 

Infecções maternas: podem colocar o bebê em risco e causar um trabalho de parto prematuro (infecção urinária e dentária são exemplos). Caso isso ocorra, deve ser tratado o quanto antes.

 

Ausência de pré-natal: um acompanhamento médico bem feito pode identificar problemas no bebê que poderiam causar um parto prematuro.

 

Pré-eclâmpsia: por trazer problemas à mãe e sofrimento ao bebê, em alguns casos deve ser feita a interrupção da gravidez.

 

Posicionamento da placenta: conhecida também como “placenta baixa”. Em alguns casos a placenta pode ser implantada na parte inferior do útero ou perto do colo do útero, podendo causar sangramento e consequentemente um parto prematuro.

 

Gestação de múltiplos: a gestação de mais de um bebê pode colocar os bebês em sofrimento antes de completar 37 semanas de idade gestacional, sendo necessário um parto prematuro.

 

Uso de drogas lícitas e ilícitas: estas substâncias podem trazer risco para a vida intra uterina do bebê, podendo ser motivo para um parto prematuro.

 

Estão em maior risco para o trabalho de parto prematuro mulheres que já passaram por um parto prematuro ou com história de problemas de colo de útero ou uterinos.

 

“O pré-natal, feito desde o início da gestação, é de extrema importância, e consegue evitar a grande maioria dos fatores desencadeantes do parto prematuro”, alerta Michelli.

error: O conteúdo é de exclusividade do Riomafra Mix.